Ideias para implementar o ensino bilíngue

Ideias para implementar o ensino bilíngue

No Brasil os alunos que buscam estudar outro idioma acabam recorrendo às escolas internacionais, cursos fora do ensino regular ou até mesmo a um professor particular que fale a língua nativa de outro país para auxiliar nesse processo de aprendizagem. Entretanto, há menos de uma década essa realidade vem mudando por aqui e já podemos falar em uma nova tendência: o ensino bilíngue.

Essa inovação envolve parcerias de escolas da rede privada com empresas de programas de gestão bilíngue, de modo a inserir material didático estrangeiro, treinamento de professores, tecnologia e diferentes métodos para integrar idioma e conteúdo nas instituições de ensino.

Até alguns anos atrás a vontade de matricular os filhos em uma escola desse formato já era alta, porém, não maior do que o aumento das mensalidades e isso gerava desistência logo na matricula. Entretanto, com o surgimento de várias consultorias responsáveis por implantar o ensino bilíngue, a concorrência gerou mais facilidade financeira para que as escolas aderissem esse novo formato e consequentemente o valor repassado aos alunos se tornou mais acessível.

ESCOLA INTERNACIONAL E ESCOLA BILÍNGUE

Diferente das escolas de ensino internacionais que funcionam em território brasileiro, mas seguem leis e idiomas do país de origem, a escola bilíngue é registrada pelo Ministério da Educação (MEC) e ministra 50% do conteúdo em língua estrangeira. No primeiro modelo, por exemplo, poderíamos citar um aluno de São Paulo que frequenta regularmente as aulas em uma escola parisiense, falando francês e compartilhando de regras escolares da França. Já no segundo formato escolar um aluno do Rio de Janeiro permanece na escola de sua região e aprende alguns conteúdos na língua estrangeira admitida pela escola, que em sua maioria é o inglês.

PROGRAMA BILÍNGUE

Outra medida que tem sido adotada pelas escolas é a de inserir o programa bilíngue, em que a grade de ensino é acrescida de um novo período para estudar em inglês, ou outro idioma, os seguintes temas: arte, entretenimento, informática, cultura, ciências, matemática, história e geografia. Com esse período complementar o conteúdo obrigatório que é regulamentado pela Base Nacional Comum Curricular não sofre alterações.

MEDIDAS PARA ADERIR UM ENSINO BILÍNGUE

Inicialmente é necessário definir se a transformação na escola será no sentido das aulas serem ministradas em português e também em outro idioma, com o mesmo conteúdo programático para ambos, ou se haverá nova grade curricular para receber novos temas que serão discutidos apenas em língua estrangeira.

A primeira ideia gera mudanças maiores no quadro de colaboradores, visto que todos os professores contratados devem possuir experiência em educação bilíngue e isso provavelmente acarretará em demissões do quadro atual. Já o modelo seguinte requer mais tempo para sua implementação, pois o projeto pedagógico será reestruturado de forma mais intensa para receber o novo idioma, porém, o sistema de imersão pode possibilitar mais vantagens para o aprendizado.

Após estabelecer qual será o novo formato de ensino adotado é importante seguir alguns passos:

  • Contratar uma empresa de consultoria em gestão bilíngue para que ela auxilie com a etapa de elaboração do programa pedagógico;
  • Inserir uma coordenação que seja proficiente no idioma de escolha para que acompanhe os professores e alunos;
  • Capacitar os funcionários e possibilitar treinamentos para que eles se adaptem ao novo modelo de ensino;
  • Investir em softwares de gestão escolar para sistematizar os novos processos e evitar possíveis falhas.

O ensino bilíngue garante não só maior fluência no novo idioma em que o aluno tem contato, mas também no desenvolvimento cognitivo e cultural. Está esperando o que para implementar na sua escola?

Deixe um comentário